terça-feira, dezembro 7, 2021
spot_img

Tradição e inovação podem andar juntas

HomeEdição 073Top ViewTradição e inovação podem andar juntas

Sendo uma das transportadoras mais conhecidas do Brasil, a Mira Transportes passa por mudanças e se adapta à era digital, sem perder o tradicionalismo e a qualidade

Por Daniela Giopato e Juliana Santana

Roberto Mira Júnior, diretor geral da Mira Transportes

Com 40 anos de mercado e quinze filiais espalhadas pelo Brasil, a Mira Transportes se tornou uma das empresas mais tradicionais do mercado. Atendendo principalmente as regiões Centro-Oeste e Norte do País, a organização passa por mudanças tanto na diretoria, quanto nos processos de suas entregas, graças as inovações tecnológicas presentes no segmento. Sendo assim, a TRANSPODATA conversou com o diretor geral da Mira Transportes, Roberto Mira Júnior, sobre todas as mudanças estruturais e econômicas desse setor.

TranspodataPrimeiramente, você poderia nos contar qual é o perfil da Mira Transportes?

Roberto Mira Júnior – Claro! Nosso perfil é transportar cargas de valor agregado do Sul e do Sudeste para o Centro-Oeste e Norte do Brasil. Então, nessas regiões, nós somos a empresa mais tradicional da atualidade. Ou seja, esse trabalho é acompanhado de grande experiência.

TDCom um Brasil passando por constantes oscilações econômicas, qual é a melhor saída para empresas de transporte?

Mira Júnior – Eu acredito que seja a diminuição de custos fixos. Não tem como gastar tanto, sendo que a gente pode terceirizar diferentes trabalhos e operações. É claro que isso pode mudar eventualmente. Mas quem vai determinar isso é o mercado. Tudo é muito relativo. Foi uma mudança brusca para a nossa administração lidar com todo esse novo cenário, mas a gente precisa evoluir. Não é porque estamos há 40 anos no mercado que ainda não existam meios de crescer. Muito pelo contrário.

TDUm dos maiores objetivos dessa edição é entender como se constrói o movimento de renovação da logística, por conta dessa nova era digital. Você poderia dar sua opinião sobre como isso se desenvolve nas transportadoras e no mercado?

Mira Júnior – Eu acho que não tem como falar de futuro da logística sem falar de e-commerce. É uma tendência. Certas empresas grandes chegaram ao Brasil mudando toda a operação, por meio da montagem de alguns centros de distribuição estratégicos. O varejo brasileiro começou a entrar na mesma onda. Nos resta saber lidar com todo esse cenário e se enquadrar sem perder nossa qualidade. O mercado pede isso.

TDVocê citou o e-commerce. Qual a sua opinião sobre essa nova onda econômica que envolve tal segmento?

Mira Júnior – Como eu disse, acredito que essas empresas gigantes de compra on-line já estão dando uma boa “sacudida” na questão do e-commerce no Brasil. Nós o vemos crescer. Vai continuar crescendo. Se vocês repararem, brasileiro gosta de shopping. No entanto, o mundo está ficando mais cômodo e rápido. As decisões estão mais rápidas. Então, eu acho que a tendência é o povo diminuir a ida para o shopping e comprar mais pela internet.

TDNo meio desse crescimento do e-commerce e, consequentemente das transportadoras e empresas de logística, quais são as dificuldades?

Mira Júnior – A logística em geral no Brasil ainda é um desafio. Ainda não existe a infraestrutura necessária para podermos fazer uma malha boa. As estradas são complicadas, tornando difícil o acesso. Sem contar a segurança, que nos obriga a investir cada vez mais em sistemas de controle e monitoramento de cargas.

Com mais de 40 anos de mercado, a Mira Transportes atua no transporte de cargas de valor agregado do Sul e do Sudeste para o Centro-Oeste e Norte do Brasil

TDE como ficam os prazos com todas essas dificuldades? Como é competir com outras transportadoras na entrega em cidades mais afastadas do Norte ou do Centro-Oeste do Brasil?

Mira Júnior – Na realidade, o prazo é o mercado que determina. Se você for fazer uma entrega de São Paulo (SP) para Belém (PA), existe um prazo padrão que todas as empresas que fazem a região usam. Para agilizar as entregas contamos com parceiros para atender determinadas regiões.

Para Mira, a logística no Brasil é um desafio por conta da falta de infraestrutura viária em algumas regiões e insegurança que obriga as empresas a investirem cada vez mais em sistemas de controle e monitoramento de cargas

TDQuem são esses parceiros?

Mira Júnior – Nossos parceiros são transportadores regionais que já são especializadas em entregas em cidades e territórios de difícil acesso. As empresas regionais conhecem a infraestrutura do seu estado. Por exemplo, existem cidades do Norte que o acesso só é possível por meio de balsas. Então, é determinado que as entregas só podem ocorrer dia sim, dia não. Hoje é assim que o mercado funciona. A importância delas para a logística do Brasil é essencial.

TDIsso é uma tendência também para as transportadoras digitais? Usar esse serviço de trabalhadores regionais?

Mira Júnior – Olha, eu acredito que sim. É possível fazer tanto parceria com empresas de pequeno porte, como com autônomos. Eu sempre falo: uma hora na prática alguém vai ter que entregar a mercadoria na porta. Isso não vai ser via Internet. A tecnologia não precisa ser usada para tirar empregos. Muito pelo contrário, ela pode agregar e ajudar na economia.

TDE isso pode ser aplicado também em relação a entregas em regiões metropolitanas?

Mira Júnior – Sim. A Internet e o mundo digital são, sem dúvida, um avanço para as transportadoras. Mas como eu disse, é sempre importante lembrar que é necessário alguém fazer esse serviço da porta, do atendimento ao cliente. Para mim, nessa parte, a responsável será sempre uma empresa de transporte, com estrutura fixa, com funcionários qualificados e com certa tradição de relação com as pessoas envolvidas no destino.

 

Artigo anteriorReestruturação da CLIA
Próximo artigoLogística virtual
RELATED ARTICLES

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

spot_img

REVISTA TRANSPODATA

spot_img

Mais lidas

spot_img