terça-feira, dezembro 7, 2021
spot_img

Os impactos da COVID19 no transporte e na logística

HomeREVISTA TRANSPODATA – Ano XIII – Abril 2020 – Edição 76CapaOs impactos da COVID19 no transporte e na logística

Durante a pandemia do coronavírus, entidades monitoram diariamente os efeitos da doença e os impactos nos setores de transporte e logística. Confira.

 

Para informar as transportadoras sobre os impactos da COVID19 no transporte e na logística, o Departamento de Estudos Econômicos e Custos Operacionais da Associação Nacional do Transporte de Cargas e logística (NTC&Logística) desenvolveu uma pesquisa para evidenciar as cargas impostas pela pandemia do novo coronavírus.

Para coletar as informações, a coleta de dados é feita diariamente com o objetivo de evidenciar ao governo estatísticas realistas sobre as dificuldades que o setor vem enfrentando neste momento de crise de saúde e econômica. 

Você pode conferir a pesquisa na íntegra pelo neste link da NTC&Logística. 

Um resumo da pesquisa que mostra os impactos da COVID19 no transporte e na logística

A pesquisa desenvolvida pela NTC&Logística, é sustentada com três questões centrais:

  • O tipo de carga da empresa (geral lotação ou fracionada);
  • O segmento em que mais atua;
  • O efeito da doença no volume de transportado.

Além do Departamento de Estudos e Custos Operacionais da Associação Nacional do Transporte de Cargas e logística, a desenvolvimento da pesquisa também é apoiado pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de São Paulo e Região (Setcesp) e Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de São Paulo.

A diretoria da NTC&Logística, ressalta que este estudo se trata de uma pesquisa de longa duração, que irá se estender até algumas semanas após os impactos da pandemia para acompanhar os dados da retomada integral dos serviços de transporte e logística. Os responsáveis pela iniciativa pedem pela colaboração dos transportadores: “são necessárias informações diárias para acompanhar o real desempenho do setor durante o período da crise”. 

Os primeiros sinais do impacto da COVID19 no transporte e na logística

Francisco Pelucio, presidente da NTC&Logística, afirma que mesmo com o pico da doença previsto entre os dias 5 e 20 de Abril, a movimentação de cargas diminuiu consideravelmente desde o início da segunda quinzena de março. Isso foi o reflexo da preocupação com a saúde dos trabalhadores, que estão sendo pressionados por familiares para interromper suas atividades durante a crise na saúde. Pelúcio comenta: “Já sentimos ausências nas empresas, em variações que chegam a 15%, a situação tende a ficar mais clara a partir de 10 de abril”.

Outro ponto crítico impulsionado pela crise do coronavírus é a conduta disforme que estados e municípios têm tomado, fechando acessos e dificultado o recebimento das cargas. De outro lado, setor reivindica inicialmente como ações emergenciais: a vacinação preferencial para motoristas de caminhão, liberação de estacionamento em locais proibidos e suspensão dos rodízios, mas, ao mesmo tempo, compreende que essas não são as prioridades máximas. 

O presidente da NTC&Logística afirma que as entidades representativas do setor estão engajadas inicialmente em fornecer informações de qualidade aos transportadores sobre a importância de ações urgentes para questões sanitárias e sobre a higiene dos colaboradores. 

Em nota veiculada nas redes sociais, a entidade aponta:  “A situação pede calma, planejamento e, principalmente, responsabilidade para garantirmos o abastecimento dos itens primordiais à saúde pública, como higiene pessoal, medicamentos, alimentos, insumos hospitalares e outras prioridades”. Além disso, instituições do setor desenvolveram uma cartilha, atualizada de acordo com a divulgação do governo sobre novas medidas, para informar empresas sobre as ações a serem tomadas no âmbito trabalhista.

O que o setor de transportes e logística aprendeu até o momento?

covid-19O Conselho Superior e Administrativo do Sindicato das Empresas de Transportes Carga de São Paulo e Região também está atento aos impactos da COVID19 no transporte a na logística. O presidente da entidade, Tayguara Helou afirma que os dois primeiros dias após a crise ter sido classificada como pandemia ensinou duas coisas para o setor: a necessidade de criar planos de contingência com antecipação e melhorias nas condições de higiene e sanitárias de todos os setores, não apenas nos transportes. 

Além disso, ele aponta: “É uma situação difícil para todos, que estamos acompanhando junto aos governos para formarmos uma visão crítica do problema”. O dirigente também afirma que o fechamento do comércio sem considerar aspectos de transporte e logística é preocupante, pois, a responsabilidade da carga fica com o transportador, para fechar a ideia ele ressalta:  “O motorista chega à loja e a encontra fechada; retorna ao fornecedor, que também está fechado. O transportador acaba tendo que armazenar, o que gera custo”.

Outro ponto crítico do fechamento dos estabelecimentos, é a falta de preocupação com o motorista, que perde a tranquilidade no trabalho e não conta espaços para necessidades essenciais como se alimentar, descansar e dormir nem com suporte.

Tayguara Helou considera que existem medidas que foram excessivamente radicais, como o lockdown em SC, que fechou tudo no estado. O dirigente argumenta: “Não dá para ser assim. Precisa garantir o atendimento dos produtos básicos à população, como alimentos e remédios”.

Entretanto, entidades como a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), conseguem estabilizar a situação. A ABComm realizou uma solicitação diante o cenário e, assim, Prefeitura de Florianópolis (SC) suspendeu as proibições de entregas nos horários e locais vetados por lei municipal, agora elas podem ser realizadas em qualquer região da cidade sem restrições de horário. 

Este tipo de esforço é importantíssimo, pois garante que a atividade possa ser feita em sua totalidade num momento a qual é tão importante para toda sociedade, desde que aconteça com segurança para todos os envolvidos nos serviços.

Por enquanto, esses são os principais impactos da COVID19 no transporte e na logística? Compartilhe com seus colegas do setor e deixe sua opinião! 

Matéria anterior: Jadlog estuda soluções com drone e apoia relacionadas à eletromobilidade
Próxima matéria: Veículos comerciais: Interrupção forçada

 

RELATED ARTICLES

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

spot_img

REVISTA TRANSPODATA

spot_img

Mais lidas

spot_img